Release Showlivre (Ao Vivo) (2017)

Lançado em 30/11/2017

Produzido por Rockstrada e Vitor Souza

Gravadora:
Showlivre

(Música e Letra: Rafael Pompeu)

Você me paga e pensa ser
Quem manda agora no meu querer
Não diz mais nada, preste atenção
Não quero mais lamber seu chão

Eu não preciso de você
E nem do seu dinheiro
Eu não preciso de você
E nem da sua comida

Eu tenho alma e coração
Não vou vendê-los por um tostão
Vê se “se enxerga”, seu animal
Eu vejo agora qual é meu mau

Eu não preciso de você
E nem do seu dinheiro
Eu não preciso de você
E nem da sua comida

Você tem grana e formação
Mas não me engana, ó meu irmão
Eu quero ver se no final
Vai esconder a sua cara de pau

Eu não preciso de você
E nem do seu dinheiro
Eu não preciso de você
E nem da sua comida

(Letra: Rafael Pompeu – Música: Rafael Pompeu / B. Zaiia)

O que nos faz igual?
O que te faz melhor?
Me explique porque na vida
Quem escolhe é sempre maior

Quanto pagam pra você acreditar?
Pôr o que crê em questão?
Quanto custa pra comprar o seu sim,
E transformá-lo em não?
 
O que você pensa agora,
Ao me ouvir cantar?
Você que vendeu a sua vida
Pra quando a música acabar
 
A sua vida não tem preço
Você já parou pra pensar?
Te pagam pra estar aqui
E você queria outro lugar

Pra onde vamos agora?
Em quem acreditar?
Se a única verdade da vida
É que ela vai acabar
 
O que você pensa agora,
Ao me ouvir cantar?
Você que vendeu a sua vida
Pra quando a música acabar
 
A nossa vida não tem preço
Você já parou pra pensar?
Te pagam pra estar aqui
E você queria outro lugar

Pra onde vamos agora?
Em quem acreditar?
Se a única verdade da vida
É que ela vai acabar
 
O que você pensa agora,
Ao me ouvir cantar?
Você que vendeu a sua vida
Pra quando a música acabar

(Música e Letra: Rafael Pompeu)

Não acho graça das coisas que te fazem rir
Não sei se ri das coisas, ou se é de mim
Não ouço as tuas músicas, eu não falo latim
Não quero perder tempo, pois sei que ele tem fim
 
Você me acha errado, assim meio quadrado
Mas se olhar no fundo vai perceber
Que ninguém nunca te amou, ou vai te amar
Como eu te amei
 
O que há de igual em nós é a diferença
Você diz que eu não tô nem aí, mas é o que você pensa
Nunca houve no céu estrela com luz tão intensa
Amor maior que o meu, não há quem vença
 
Você não me leva a sério, não quer se envolver
Mas quando for tarde, vai perceber
Que ninguém nunca te amou, ou vai te amar
Como eu te amei

(Letra: Rafael Pompeu – Música: Rafael Pompeu / R. Oliveira)

Vivendo pra esquecer
Eu nego a solidão
O que já foi, já era
Não tem mais solução
 
Eu penso no futuro
Nas coisas que eu não vi
Conhecer novas pessoas
Sair logo daqui
 
De olho no amanhã
Tudo vai ser melhor
Do olho no amanhã
 
O próximo passo
É o mais difícil, sempre
Mas isso não pode (não vai)
Assustar a gente
 
De cabeça erguida
E sem olhar pra trás
Fazer de um novo jeito
Aquilo que ninguém faz
 
De olho no amanhã
Tudo vai ser melhor
Do olho no amanhã
 
Hoje
É o ontem
De amanhã
Pra sempre
 
De olho no amanhã
De olho no amanhã
De olho no amanhã
De olho no amanhã

(Música e Letra: Rafael Pompeu)

Ninguém sabe de nada,
Mas tudo está aí
Ninguém sabe pra onde olhar,
Ninguém sabe pra onde ir

Depois todos ficam sem saber
Na hora de escolher
O que é melhor pra cada um

Desordem e Regresso!
Desordem e Regresso!
Desordem e Regresso!

Ninguém sabe de nada
Não me pergunte por quê
Ninguém para pra olhar
Ninguém para pra ver

Todos se acham os maiorais
Mas no fundo todos são iguais
A verdade ainda está por vir

Melhor não contrariar
Ir embora e ele imaginar
Que é melhor que qualquer um

Desordem e Regresso!
Desordem e Regresso!
Desordem e Regresso!

Ninguém sabe de nada
Não me pergunte por quê
Ninguém para pra olhar
Ninguém para pra ver

Todos se acham os maiorais
Mas no fundo todos são iguais
A verdade ainda está por vir

Melhor não contrariar
Ir embora e ele imaginar
Que é melhor que qualquer um

Desordem e Regresso!
Desordem e Regresso!
Desordem e Regresso!

(Letra: Rafael Pompeu – Música: Rafael Pompeu / Emerson Silva / R. Oliveira / R. Oliveira / B. Zaiia)

De caras viradas
E mentes apontadas
Pra tudo que eu
Quero fazer
 
Já não diz nada
Só dá risada
E eu não consigo
Te entender
 
Mas que viagem
Sinto por dentro
A obrigação
De ter você
 
E na real
O esquecimento
Um cidadão
A se perder
 
Longe do chão, perto de você
Longe do chão
Longe do chão, perto de você
Longe do chão
 
Vejo a cidade
Um céu cinzento
Eu faço isso
Pra esquecer
 
De madrugada
Novo elemento
Me faz me achar
E me perder
 
Não sobra nada
Aqui por dentro
É ilusão
Isso é viver
 
Subindo a escada
Quero alimento
Ouvindo a voz
A entorpecer
 
Longe do chão, perto de você
Longe do chão
Longe do chão, perto de você
Longe do chão

(Música e Letra: Rafael Pompeu)

Você me fez
Humano demais
Me fez cair ao chão
Nem olhou pra trás
 
Me deixou em pedaços
E sem mesmo se mexer
Estilhaçou
Todo meu ser
 
Não posso mais esperar
Que você volte pra ficar
Enquanto eu sei
Que não irá
 
Nos meus olhos vejo solidão
Teu retrato causa emoção
Nas paredes do meu quarto
E por todo chão
 
Meu olhar sobrevoa a multidão
Quero respirar, meus olhos não
Estando a dois passos de me amar
Quer ouvir a razão
 
Me devolva a alegria
E a vontade de viver
Sem a tua presença
Eu não sei o que fazer
 
Não posso mais esperar
Que você volte pra ficar
Enquanto eu sei
Que não irá
 
Nos meus olhos vejo solidão
Teu retrato causa emoção
Nas paredes do meu quarto
E por todo chão
 
Você me fez humano demais

(Música e Letra: Rafael Pompeu)

Eu comprei essa guitarra
E paguei em prestações
Você posa de rock star
Até quando papai bancar

Já ralei muito na vida
Se preciso passo fome
Mas eu nunca precisei
Depender de sobrenome

A vida não é fácil pra ninguém
Isso eu já ouvi dizer
Mas só eu sei o que passei
Eu sou mais forte que você

O seu carro é do ano
A sua roupa é da moda
Eu não bajulo ninguém
E o meu jeito incomoda

Também sei, não sou perfeito
Isso eu nem quero ser
Por isso pense em duas vezes
Antes do que vai dizer

A vida não é fácil pra ninguém
Isso eu já ouvi dizer
Mas só eu sei o que passei
Eu sou mais forte que você

E você acha que é o bom
Mas pra mim é uma piada
Você é foda só porque
O seu pai te dá mesada

E se diz o anarquista
O ativista, o maioral
Mas não sabe o que é viver
O que importa é parecer legal

A vida não é fácil pra ninguém
Isso eu já ouvi dizer
Mas só eu sei o que passei
Eu sou mais forte que você

(Música e Letra: Rafael Pompeu)

It’s 6AM when I wake up
And get into my car
When I’m in my car
I can travel any far
 
But there’s no safe place
Where I can go
Where I can stay
 
So I’ll keep drivin’
All night long
Everyday!
 
Riding like a zombie
I’m getting far everytime
Riding like a zombie
I’m getting far everyday
 
Flying cows,
Mushroom trees
Everything seem
So strange
 
I need to stop my car
‘Cuz I think I’m going
Out of range
 
The foxy ladies on the road
Seem to be no age
And I’ve played with Robert Plant and
Jimmy Page
 
Riding like a zombie
I’m getting far everytime
Riding like a zombie
I’m getting far everyday

(Música e Letra: Rafael Pompeu)

É o fim do mundo de novo
Prepare-se pro que vier
É o fim do mundo pra todos
Homem, soldado, veado e mulher

A qualquer hora tudo pode acabar
A qualquer hora tudo pode ruir
A qualquer hora nada pode sobrar
A qualquer hora tudo pode e vai

É o fim da humanidade
De toda uma geração
É o fim da impunidade
Do sexo sem proteção

É o fim do protecionismo
E da divisão racial
É o fim de todas florestas
De todo reino animal

A qualquer hora tudo pode acabar
A qualquer hora tudo pode ruir
A qualquer hora nada pode sobrar
A qualquer hora tudo pode e vai

É o fim do voto secreto
É o fim da corrupção
É o fim do cara sem teto
E do outro lá na mansão

A qualquer hora tudo pode acabar
A qualquer hora tudo pode ruir
A qualquer hora nada pode sobrar
A qualquer hora tudo pode e vai

É o fim do mundo!